AGENDE UMA CONSULTA:: 31 3090 7773 | 31 2105 6500

Novembro, além de ser o mês de conscientização sobre o câncer de próstata, é  o período escolhido para a campanha de alerta para o diabetes. Nos últimos dez anos, o número de pessoas com os diabetes tipo 1 e 2 subiu 61,8% segundo levantamento do Ministério da Saúde.

O diabetes mal controlado causa lesões nos vasos sanguíneos do organismo, afetando os rins, assim como olhos, intestino, coração e outros órgãos. Os rins tornam-se incapazes de filtrar o sangue adequadamente e eliminar os resíduos pela urina. Assim, substâncias tóxicas acumulam-se no sangue. Essa condição pode levar à neuropatia, lesões nos nervos que acabam dificultando o esvaziamento da bexiga. A urina retida pode trazer uma série de problemas ao paciente, como infecções urinárias. Com o mau funcionamento dos rins, o corpo também retém mais água e sal, levando a um inchaço e ganho de peso

Já a nefropatia diabética é uma doença renal progressiva, que acomete as pessoas que têm diabetes por mais de 10 anos. Ela leva a perda de proteínas na urina, reduzindo lentamente, mas de forma progressiva, a função renal (insuficiência renal crônica); até a paralisação completa dos órgãos. Cerca de 30% das pessoas que fazem hemodiálise no país, tiveram sua insuficiência renal crônica causada pelo diabetes.

Ocorrência da nefropatia diabética:

Diabetes tipo I: 35 a 45% dos pacientes

Diabetes tipo II: 6 a 20% dos pacientes

 

O sinal mais precoce dessa enfermidade é o aparecimento de pequenas quantidades de albumina na urina (normalmente não detectadas por exames simples de urina). Essa substância é precursora da proteína.

Quanto mais proteína na urina, menos no sangue. Isso resulta numa retenção de líquido, que causa edema das pernas e um aumento das micções à noite. Fique alerta a esses sinais.

É preciso fazer um exame de sangue específico para identificar a proteína no sangue e outro, chamado creatinina sérica, que avalia a capacidade de filtragem renal. Esses check-ups devem ser realizados anualmente por pessoas com diabetes.

Para reduzir o risco de desenvolver a nefropatia diabética, é recomendável que pacientes com diabetes cuidem da pressão arterial, mantenham um excelente controle do açúcar no sangue e tomem corretamente a medicação. Boa alimentação, exercícios físicos e abandono do cigarro também são fundamentais para o controle da doença. Além disso, é importante fazer exames periódicos, já que a doença dos rins em estágio inicial é bastante silenciosa.

Leia mais: