AGENDE UMA CONSULTA:: 31 3090 7773 | 31 2105 6500

Já teve infecção de urina ou perdeu o controle da micção? Os problemas do sistema urinário são mais comuns do que imaginamos entre a população brasileira. No país, 65% da população diz ter, ao menos, um sintoma como urgência ou necessidade de fazer força para urinar, aumento da frequência ou acordar durante a noite para ir ao banheiro. O levantamento é de uma pesquisa inédita da Astellas Farma Brasil, apresentada em setembro durante o Congresso Brasileiro de Urologia.

A pesquisa ‘Brasil LUTS’ (sigla em inglês para Sintomas do Trato Urinário Inferior) mostrou que as mulheres apresentaram maior prevalência dos sintomas (68,1%). Entre os problemas mais citados entre os entrevistados estão:

  • Bexiga hiperativa (urgência e frequência para urinar)
  • Incontinência urinária
  • Hiperplasia benigna da próstata (aumento da próstata que pode comprimir a uretra e impedir a saída da urina) 

 

A incontinência urinária mais comum foi a causada por esforço (espirro, tosse ou carregar peso).

Apesar da existência dos problemas, os entrevistados revelaram que não procuram tratamento adequado. Um dos principais motivos é que, para eles, o problema urinário é natural do envelhecimento, portanto, parece não ter importância. A maior taxa de procura médica está entre pessoas mais velhas (a partir dos 60 anos) e mulheres.

Busca por tratamento:

  • 30,6% dos homens
  • 36,8% das mulheres

O levantamento, considerado o primeiro estudo populacional epidemiológico brasileiro, contou com a entrevista de 5.184 homens e mulheres acima dos 40 anos de idade. Foram ouvidas, por telefone, pessoas de cinco capitais do país: Belém (PA), Goiânia (GO), Porto Alegre (RS), Recife (PE) e São Paulo (SP).

Segundo a pesquisa, cerca de 50% dos entrevistados disseram que se sentiriam ‘descontente’, ‘ruim’ ou ‘péssimo’ se permanecessem com os sintomas urinários pelo resto da vida.

Mesmo que não sejam indícios de problemas mais graves de saúde, é importante fazer o correto tratamento dos distúrbios do trato urinário. Isso garante melhor qualidade de vida e evita que a constância dos sintomas gerem impactos negativos como limitações das atividades físicas, queda da autoestima, menor intimidade com o parceiro e comprometimento do sono revigorante. Há pessoas que chegam a evitar tomar muito líquido ao longo do dia, carregam peças íntimas extras consigo ou mesmo mapeiam os banheiros por onde vão.

A incontinência urinária pode ser causada por fatores genéticos, complicações da cirurgia de próstata ou mesmo realização de parto vaginal. Se está com algum sintoma procure um médico. O tratamento pode ser feito por meio da mudança de hábitos, fortalecimento dos músculos para inibir contrações exageradas da bexiga ou, em casos graves, remédio e cirurgias. Busque um urologista de sua confiança.

 

Leia mais: