AGENDE UMA CONSULTA:: 31 2105 6500 | 313514 7000 | 31 97102 5051

Você já reparou que doentes renais estão sempre pálidos? Isso acontece porque a anemia é uma complicação frequentemente encontrada nesses pacientes. À medida que uma pessoa perde a função renal, surgem diversos problemas, sendo o quadro anêmico mais comum deles.

Um indivíduo é considerado anêmico quando a hemoglobina é:

  • Homens adultos ou mulheres pós-menopausa: inferior a 13.0g/dL
  • Mulheres pré-menopausa: inferior a 12.0g/dL

Esse quadro de anemia pode aparecer no início do diagnóstico da doença renal e se agravar ao longo da enfermidade.  Os rins, além de filtrar o sangue, são responsáveis pela produção de diversos hormônios que garantem o equilíbrio do organismo. Um deles é o eritropoietina (EPO), que participa na formação dos glóbulos vermelhos (transportam o oxigênio para todo o corpo).

A deficiência desse importante hormônio leva os pacientes com doença renal à anemia. Além disso, a falta de ferro, ácido fólico e vitamina B12; perdas sanguíneas, hemólise (dissolução dos glóbulos vermelhos do sangue) e inflamação podem contribuir para o surgimento da anemia.

Cerca de 52% dos pacientes com doenças renais têm deficiência de ferro no organismo

As restrições alimentares a que são submetidas as pessoas com doença renal, a falta de apetite e as perdas hemáticas durante o processo de hemodiálise também levam à um quadro anêmico.

Fadiga, distúrbios do sono, anorexia, letargia, cefaleias, taquicardia, intolerância ao frio e alterações da coagulação são sintomas decorrentes da anemia em pessoas com doença renal.

Há estudos que associam a insuficiência renal e anemia ao aumento do aparecimento de doenças cardíacas e acidentes vasculares cerebrais

Atualmente, o tratamento é feito por meio de agentes estimuladores da Eritropoiese (AEE). Eles são administrados por injeção subcutânea sob a pele ou via endovenosa durante a hemodiálise. Anteriormente, eram realizadas transfusões de sangue que levavam os pacientes a quadros de infecção, sobrecarga de ferro e sensibilização imunobiológica.

A anemia é uma das complicações mais graves da doença renal crônica. O diagnóstico precoce favorece aumenta a qualidade de vida do paciente.

Leia mais: