AGENDE UMA CONSULTA:: 31 2105 6500 | 313514 7000 | 31 97102 5051

Segundo dados da Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN), um em cada dez brasileiros tem algum tipo de lesão renal e não sabe. Os números oficiais apontam para o registro de apenas 122 mil pessoas diagnosticadas com câncer ou cólica renal, lúpus e entre outras doenças. Esses dados são fruto do Censo Brasileiro de Nefrologia, realizado em 2016 e divulgado neste ano.

É preciso estar atento ao sinais que o corpo dá alertando que algo está errado. Fadiga, pele seca, dores de cabeça e perda de peso não intencional podem ser sintomas de lesões nos rins que acabam sendo confundidos com os de outras doenças, como apendicite. Dificuldade ou urgência para urinar, incontinência urinária, dor intensa nas costas e infecções urinárias de repetição devem ser investigados por um especialista. Quanto antes o paciente consultar um urologista, mais precocemente será feito o diagnóstico e tratamento; favorecendo o prognóstico.

O rim é essencial para o equilíbrio do corpo: ele elimina substâncias tóxicas e ajuda no controle da pressão arterial. Cerca de 65% da população brasileira tem problema urinário, muitas vezes um primeiro indício de uma doença renal.

Cerca de 20 mil pessoas no Brasil estão na fila de espera por um transplante de rins. Enquanto aguardam, em média 18 meses, passam pelo cansativo processo da hemodiálise. Os doadores, em contrapartida, não chegaram a 3 mil em 2016.

Pessoas com histórico familiar de problemas renal, sedentários e obesos fazem parte do grupo de risco para o câncer de rim. Essa doença atinge quase duas vezes mais homens do que mulheres. A faixa etária entre os 50 e 70 anos é a mais acometida. O câncer tem forte relação com o tabagismo, obesidade e hipertensão.

A nefrectomia, remoção parcial ou total do rim, é o procedimento recomendado para casos de câncer, insuficiência renal com risco de vida para o paciente e em transplantes de órgãos.

Atualmente, grande parte dos procedimentos cirúrgicos para a nefrectomia parcial são feitos por laparoscopia, técnica minimamente invasiva que garante menos dor no pós-operatório e recuperação mais rápida. Isso permite que o paciente retorne antes à sua rotina quando comparamos aos resultados da cirurgia aberta.

Existem 747 centros especializados em tratamento de doença renal no Brasil

49% – Sudeste

4% Norte

 

Para cuidar bem dos seus rins, siga essas dicas:

  • 1- Beba muita água
  • 2- Faça atividade física
  • 3- Mantenha uma alimentação saudável
  • 4- Controle sua pressão arterial
  • 5- Modere a ingestão de bebidas alcoólicas
  • 6- Limite a ingestão de sal em sua dieta
  • 7- Não fume

 

Leia mais: